Alergia

Alergia-25-1-1.png

O que é alergia?

A alergia é caracterizada pela resposta exagerada do sistema imunológico contra substâncias  estranhas ao organismo.

Principais causadores da alergia:

Ácaros, presentes na poeira, os fungos, certos tipos de medicamentos, os pelos de animais domésticos, nozes de todas as variedades, a picada de um inseto, certos tipos de plantas, alguns frutos do mar, o pólen das flores e alguns metais, como a prata.

Principais sintomas:

Os sintomas variam de acordo com a sensibilidade do indivíduo e do tipo de alergia. Em alergia na pele, é comum o surgimento de erupções cutâneas, vermelhidão, coceira e inchaço.

Para alergias respiratórias, os sintomas comuns são: coriza, espirro, tosse e dificuldade para respirar.

Já para alergias alimentares, não são raros os relatos de diarreia, náusea, vômitos e até mesmo erupções cutâneas, com direito a um formigamento na região dos lábios.

Por fim, existe a chamada alergia ocular, onde essa região costuma ficar seca e irritada, podendo desenvolver uma conjuntivite alérgica.

Testes

  • Alergia Respiratória
  • Alergia de Pele
  • Avaliação de Imunidade
  • Infecções de Repetição
  • Herpes
  • HPV
  • Candidíase

Tratamentos

  • Asma
  • Rinite
  • Sinusite
  • Alergia Alimentar
  • Urticária
  • Reações a Medicamentos
  • Doenças dos Olhos
  • Imunodeficiência da criança
  • Abortamento imunitário

Informativo

A alergia é uma reação do sistema imunológico a substâncias estranhas, normalmente inócuas ao organismo. Este tipo de reação ocorre geralmente em indivíduos com predisposição genética ou que estão mais sensíveis ao contato com certas substâncias. Há uma série de itens que podem desencadear a alergia, como fungos, poeira, pólen, medicamentos, proteínas de animais, produtos químicos da indústria, insulto de artrópodes, diversos alimentos, entre outros.

A herança genética é um dos maiores fatores para o desencadeamento de alergias, entretanto ela só se concretizará com o contato com as substâncias alergênicas. Indivíduos de todas as faixas etárias podem sofrer com reações alérgicas e cerca de 10% a 20% da população mundial hoje têm alguma alergia que compromete de forma significativa a qualidade de vida em adultos e crianças. Este quadro tem se agravado com o passar dos anos.

Quando os alérgenos entram em contato com o organismo, as células produtoras de anticorpos são ativadas, causando a liberação de mediadores potentes, principalmente histamina, substância determinadora dos sintomas alérgicos. Alguns sintomas característicos são espirros, nariz obstruído, coriza, prurido, lacrimejamento, urticárias, edemas, inflamações dermatológicas e falta de ar. Alguns sintomas alérgicos são potencialmente graves e até mortais como, por exemplo, a Anafilaxia que pode envolver de forma grave o sistema cardio-respiratório.

Os tipos mais comuns de alergias são as alergias alimentares, que cada vez estão mais sérias e atingem mais a população, entre elas, as alergias advindas do leite de vaca, do trigo, ovos, amendoim, soja, peixes e frutos do mar. Também existem as alergias da pele, as alergias nasais e respiratórias – como a rinite, e as alergias oculares, das quais a conjuntivite alérgica é a mais comum.

É importante entender a diferença entre ser alérgico e ser intolerante. A alergia ocorre quando o sistema imunológico pensa que uma substância é perigosa, mesmo que seja inofensiva, e reage a ela com sintomas característicos. Na intolerância ocorrem reações adversas que não envolvem o sistema de defesa. Essas reações acontecem, sobretudo, na esfera alimentar.

A alergia em si não tem cura, mas pode ser controlada e administrada com tratamentos adequados. Em geral, os tratamentos das alergias visam aliviar os sintomas, afastar o paciente da substância causadora da alergia e, em casos selecionados, induzir níveis de tolerância. A imunoterapia específica é o único tratamento capaz de modificar o curso natural da doença.

Na Imunoderm seguimos o protocolo desenvolvido pelo serviço de Imunologia clinica e experimental oficial da Santa Casa da Misericórdia do Rio de janeiro. O protocolo consiste em realizar procedimentos diagnósticos padronizados internacionalmente e terapias especificas e personalizadas em cada caso, utilizando matéria-prima da mais alta tecnologia.

Assim como em qualquer processo de doença, a melhor atitude é a prevenção, o cuidado prévio evita quadros agressivos e crônicos. De um modo geral, deve-se evitar contato com os alérgenos que estão causando os sintomas e provocando a doença.

Teste alérgico

O “prick test” da pele é um procedimento de teste essencial para confirmar a sensibilização em doenças alérgicas mediadas por IgE em indivíduos com rinoconjuntivite, asma, urticária, anafilaxia, eczema atópico e alergia a alimentos. O método inclui o uso apropriado de extratos de alérgenos específicos, controles positivos e negativos.

A interpretação dos testes é feita após 15 a 20 minutos de aplicação, com um resultado positivo definido como uma pápula menor ou igual à 3 mm de diâmetro do que o padrão negativo. Recomenda-se um painel de teste padrão para o Brasil, os inalantes:

  • Fungos do Ar: Alternaria alternata, Cladosporium herbarum, Aspergillus fumigatus;
  • Animais: epitelio de gato e cão;
  • Ácaros da poeira: Dermatophagoides pteronyssinus, Dermatophagoides farinae, Blomia Tropicalis
    Barata: (Blatella germanica).

A padronização dos procedimentos de teste cutâneo e os painéis padrão para diferentes locais geográficos são incentivados em todo o mundo para permitir melhores comparações para fins de diagnóstico clínico e de pesquisa.

Ele fornece evidências de sensibilização e pode ajudar a confirmar o diagnóstico de uma suspeita de alergia tipo I. É minimamente invasivo e barato, os resultados estão imediatamente disponíveis e são realizados por profissionais de saúde treinados.

A Imunoderm clinica segue esses rigorosos protocolos sempre buscando os melhores insumos do mercado para se chegar à um diagnóstico preciso.

Cuide de sua saúde e bem estar